» Artigos


Câncer do Colon e Reto

O câncer do colon e reto é uma das principais causas de óbito nos países industrializados, tanto para o sexo feminino como para o sexo masculino.
É ainda o quarto tipo mais frequente de câncer entre os homens, sendo superado apenas pelos tumores do pulmão, estômago e próstata. Entre as mulheres é o terceiro câncer mais comum, superado apenas pelo câncer de mama e colo do útero.

O diagnóstico precoce do câncer colo retal é muito importante pois a taxa de sobrevida depende deste aspécto. Por exemplo, quando a doença está limitada à parede do colon, a taxa de sobrevida com o tratamento, é de mais ou menos 90%. Quando já existe comprometimento de linfonodos próximos do colon, esta taxa cai para 68%. Quando existem metástases para o fígado a sobrevida cai para cerca de 10% no período de 05 anos.
O tratamento do câncer do colon e reto é na grande maioria das vezes baseado em cirurgia de ressecção sendo complementado quando necessário por rádio e quimioterapia.

RASTREAMENTO E VIGILANCIA
O rastreamento (Screening) é a investigação que se procede em pessoas assintomáticas. O objetivo é detectar a doença numa fase precoce nestas pessoas. Quando a doença é detectada precocemente, tem alta taxa de cura. A detecção de pequenos pólipos adenomatosos do colon e sua remoção através da Colonoscopia se constitui num importante método de prevenção.
De um modo geral se recomenda para a população o início da investigação a partir da idade em torno dos 50 anos. Naqueles grupos familiares em que ocorreu câncer do colon, a investigação já deve ser realizada numa faixa etária mais baixa ou seja, em torno dos 30 anos.


QUAL O SIGNIFICADO DOS PÓLIPOS DO COLON

Os pólipos do colon correspondem a pequenas formações que se originam da superfície interna do órgão denominada de mucosa.
Eles podem crescer no sentido vertical sendo visualizados como pequenas verrugas, ou podem crescer nos sentido horizontal correspondendo aos pólipos de formato plano em forma de moeda.

A formação dos pólipos parece estar sempre ligada a fatores genéticos que determinam seu aparecimento. Entretanto, trabalhos científicos vêm demonstrando que determinados tipos de dieta com muitos produtos industrializados, excesso de massas, gorduras e carnes vermelhas além dos alimentos enlatados podem contribuir para seu desenvolvimento. Geralmente este tipo de dieta se associa com quadros de constipação intestinal crônica. Por isso é recomendável manter sempre uma dieta mais saudável, com frutas, verduras e cereais o que facilita o funcionamento regular do intestino.
Geralmente o câncer do colo se origina a partir dos pólipos adenomatosos na sequência que se denomina de adenoma- câncer e que leva bastante tempo para se estabelecer.
Entretanto, isto se verifica raramente, permanecendo os pólipos na sua forma benigna por toda a vida havendo mutações apenas em alguns casos. Certamente a identificação e remoção dos pólipos durante o exame colonoscópico se constitui numa importante forma de prevenção do cancer do colon.

Artigo desenvolvido por: Dr. José Maurício




Pólipos do colon

Os pólipos são pequenas lesões que se originam da mucosa do colon. Podem também acontecer em outros órgãos como, por exemplo, o estômago. Na sua maioria são pequenos variando entre 0.3 cm até 2.0 cm. Entretanto em alguns casos podem chegar a dimensões maiores como 2.0 ou 3.0 cm. Podem ser do tipo inflamatório ou hiperplásico ou do tipo adenomatoso. De um modo geral o câncer do colon e reto se originam no ápice das lesões polipóides do tipo adenomatoso. Assim a identificação e remoção dos Pólipos do colon se constitui numa importante forma de prevenção do câncer do colon e reto.



III - DOENÇAS FREQUENTEMENTE OBSERVADAS DURANTE COLONOSCOPIAS DE ROTINA

INVESTIGAÇÃO DE DIARRÉIAS CRONICAS

Frequentemente dos deparamos com quadros de diarréia crônica que resistem aos tratamentos convencionais e que necessitam maior investigação. A Colonoscopia tem indicação nestes casos possibilitando uma avaliação adequada do padrão da superfície interna do colon (mucosa) e realização de biópsias. Podemos observar alterações discretas da mucosa do colon muito comum em casos de parasitoses intestinais (amebíase, giardíase, esquistossomose etc.) e outras formas de doenças de natureza crônica com maior comprometimento do padrão da mucosa do colon com erosões, ulcerações superficiais e presença de exudato de muco e fibrina. São achados comuns em doenças inflamatórias intestinais crônicas como doença de Crohn e Reto Colite ulcerativa inespecífica (RCUI). A realização de biópsias tanto da mucosa do colon como também na mucosa do íleo distal (intestino delgado) pode possibilitar o esclarecimento destes casos.




II - DOENÇAS FREQUENTEMENTE OBSERVADAS DURANTE COLONOSCOPIAS DE ROTINA

Doença diverticular do Colon.

A doença diverticular do colon é um achado muito comum na faixa etária acima dos 50 anos ou até em faixa de idade inferior. a incidência maior se verifica acima dos 60 a 70 anos. São pequenas saculações que se formam na parede do colon principalmente no lado esquerdo, na projeção do sigmóide. Frequntemente se associam com quadro de cólicas e alterações da motilidade do colon. Muitas vezes a formação dos divertículos se estendem ao os demais segmentos do colon (Pan diverticulose). Assim, ficamos sabendo que a doença diverticular do colon (Diverticulose) é uma condição relativamente comum presente em mais de 30 % da população

Na figura abaixo demonstramos alguns casos de doença diverticular visualizados durante a Colonoscopia.

Em raras situações pode ocorrer a inflamação e infecção de algum divertículo gerando o quadro de Diverticulite. Esta é uma condição aguda em que o paciente refere dor localizada principalmente no lado esquerdo e quadrante inferior esquerdo do abdome, abatimento calafrios e febre. Se faz necessário ir ao Hospital, se fazer um exame complementar como hemograma para avaliar infecção e geralmente um ultrassom ou tomografia que são exames que definem o diagnóstico. Faz-se necessário a suspensão da dieta, e início de medicamentos como antibióticos. Na grande maioria dos casos, ocorre regressão rápida do quadro, com as medidas de ordem clínica estabelecidas. Em casos mais raros que evoluem para formação de abscesso pode ser necessário o tratamento cirúrgico com ressecção e realização de colostomia para descompressão do colon.

Em alguns casos mais raros a doença diverticular pode causar sangramento retal intenso com necessidade de internação Hospitalar. Isto acontece mais frequentemente nos casos de doença diverticular difusa, acometendo todos os segmentos do colon. Nestes casos é necessário se realizar Colonoscopia de urgência para se tentar identificar o local do sangramento. Uma vez identificado o divertículo com o vaso sangrante, se faz uma cauterização ou colocação de um Clip de titânio para controle do sangramento.



I - DOENÇAS FREQUENTEMENTE OBSERVADAS DURANTE COLONOSCOPIAS DE ROTINA

Doenças Hemorroidárias e fissuras.

Muito embora que a avaliação de doenças do canal anal sejam mais verificadas pelo colo proctologista durante o exame Colonoscópico deve ser feita uma avaliação do grau das doenças hemorroidárias, possíveis fissuras e a visualização da retro visão retal.
Isso auxilia muito ao Colo proctologista que solicitou o exame. Lembramos que a doença hemorroidária e micro fissuras são responsáveis pela maioria dos episódios de sangramento retal durante as evacuações.



nossa


localização


CNPJ: 70.179.577/0001-98 - DIAGNÓSTIKA. © 2010. AVENIDA VISCONDE DE ALBUQUERQUE, 796. TORRE. RECIFE/PE. (81)3227-5000